Nova espécie psicodélica de líquen é descoberta: Dictyonema huaorani

Uma nova espécie de líquen foi descoberta na floresta amazônica equatoriana, de acordo com um artigo recente publicado no “The Bryologist”. Pesquisadores liderados pela autora Michaela Schmull identificaram triptaminas como, psilocibina, e 5-MeO-DMT no líquen, dentre outras substâncias.

dictyonema-huaorani

A história é um tanto incomum. Há apenas uma amostra conhecida do líquen em toda a ciência ocidental, e foi coletada em 1981 pelos etnobotânicos Wade Davis e Jim Yost durante a realização de pesquisas no Equador. Em um artigo em 1983 descrevendo sua descoberta deste líquen, Davis e Yost escreveram:

Na primavera de 1981, enquanto estávamos envolvidos em estudos etnobotânicos no leste do Equador, a nossa atenção foi atraída para um uso mais peculiar de alucinógenos pelos índios Waorani, um pequeno grupo isolado de cerca de 600 índios. … Entre a maioria das tribos amazônicas, intoxicação alucinógena é considerada uma viagem coletiva ao subconsciente e, como tal, é um evento essencialmente social. … Os Waorani, no entanto, consideram o uso de alucinógenos como um ato anti-social agressivo; de modo que o xamã, ou “ido”, que desejar lançar uma maldição toma a droga sozinho ou acompanhado apenas de sua mulher durante a noite, no âmago da floresta ou em uma casa bem isolada. …

De particular interesse botânico é o fato de que esta prática cultural peculiar envolve plantas alucinógenas, uma raramente usada e uma, até agora, sequer catalogada. Os Waorani tem dois alucinógenos: Banisteriopsisniun muricata e um basidiolíquen ainda não catalogado do gênero Dictyonema. O primeiro é morfologicamente muito semelhante a outros vulgarmente utilizados … espécies como a Banisieriopsis Caapi da ayahuasca … Por outro lado, nunca até agora um basidiolíquen havia sido relatado com propriedades alucinógenas. [grifo meu]

Nesse artigo, Davis e Yost descrevem a nova espécie de líquen como “extremamente rara.” Tão rara, na verdade, que Yost tinha “ouvido falar dela por mais de sete anos antes de encontrá-la na floresta.” Imagine ser um explorador, dedicando sua vida a estudar as pessoas e plantas de regiões distantes, e, finalmente, a descoberta de um indescritível líquen psicodélico que você tem ouvido falar por sete anos.

Mesmo os índios Waorani não têm à mão espécimes desse líquen, que eles chamam nɇnɇndapɇ. Os nativos disseram aos pesquisadores que seu último conhecido uso xamânico foi “há cerca de quatro gerações atrás – cerca de 80 anos – quando um xamã mau o comeu para enviar uma maldição para que outro xamã Waorani morresse’”, Wade Davis e Jim Yost tornaram-se os primeiros ocidentais conhecidos a encontrar nɇnɇndapɇ, e preservaram a amostra para análise futura.Wade_Davis

Trinta anos depois, em 2014, Michaela Schmull e seus colegas analisaram o DNA da amostra e determinaram que era uma espécie nova, que deram o nome deDictyonema Huaorani. (Huaorani é uma grafia alternativa de Waorani, os “descobridores” originais desta espécie.) A equipe de Schmull examinou um extrato do líquen usando técnicas de espectrometria de cromatografia de massa líquida (LC-MS), e identificou triptaminas como psilocibina, e 5-MeO -DMT, bem como 5-metoxitriptamina (5-Meot), 5-MeO-NMT, e 5-metoxitriptamina (5-MT).

liquen2Os líquens são organismos incomuns e fascinantes – na verdade, um líquen não é um único organismo, mas uma parceria simbiótica entre um fungo e uma alga. O fungo fornece a estrutura filamentosa, que protege, hidrata, e ancora a alga; a alga fotossintetiza os açúcares que ambos os organismos necessitam para viver. Os líquenes são excepcionalmente adaptáveis e são encontrados em quase todos os climas da Terra, o que não pode ser dito de seus componentes individuais que vivem em isolamento. A parceria beneficia ambas as partes e amplia enormemente os habitats onde eles podem prosperar.

O gênero de Dictyonema é incomum, mesmo entre os líquens. Na maioria dos líquens, o componente fúngico é um ascomiceto, porém cerca de 1% dos líquens são compostos de um fungo basidiomiceto. A parceiria das algas também varia – em cerca de 10% dos líquens, o parceiro fotossintetizante não é uma alga de fato, mas uma cianobactéria. Os membros do Dictyonema são muito estranhos, porque eles combinam ambas as variações, uma cianobactéria e um fungo basidiomiceto, no mesmo líquen.

Adicione a isso às qualidades aparentemente psicodélicas de Dictyonema Huaorani e você tem uma espécie extremamente original!

No que diz respeito à identificação de psilocibina, e 5-MeO-DMT no líquen, os pesquisadores ofereceram uma qualificação:

Devido a nossa incapacidade de utilizar compostos de referência puros e a escassa quantidade de amostras para a identificação dos compostos, nossas análises não foram capazes de determinar de forma conclusiva a presença de substâncias alucinógenas.

Para a escassez de a amostra não há solução. A indisponibilidade de “compostos de referência puros”, no entanto, é um problema inteiramente artificial, resultado da guerra contra as drogas que suspendeu pesquisa psicodélica há mais de 40 anos e continua a impedir o seu progresso. Se estas substâncias não tivessem seu acesso tão arbitrariamente dificultados aos pesquisadores, já poderíamos ter uma identificação conclusiva dos agentes psicodélicos presentes nesta espécie recém-descoberta.

Traduzido de: PsychedelicFrontier

Referências

Schmull, Michaela. “Dictyonema huaorani (Agaricales: Hygrophoraceae), a new lichenized basidiomycete from Amazonian Ecuador with presumed hallucinogenic properties.” The Bryologist 117(4):386-394. 2014.

UBC Botanical Garden and Centre for Plant Research

Davis, E. Wade. “The Ethnobotany of the Waorani of Eastern Ecuador.” Botanical Museum LeafletsHarvard University. Vol. 29, No. 3 (1983): 159-217.

Davis, E. Wade. “Novel Hallucinogens from Eastern Ecuador.” Botanical Museum Leaflets Harvard University. Vol. 29, No. 3 (1983): 291-95.

Obtenha mais conteúdo como esse

Inscreva-se em nossa newsteller e receba os novos posts em seu email!

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 × 3 =