Testando as substâncias encontradas em um festival

Escrito por Michael Segalov

Aterrizando na Ilha de Wight, peguei um táxi com mais dois caras de Londres. Íamos todos para o Bestival, o último grande festival britânico do verão, e meus colegas que cada um tinham tomado umas pílulas antes de cruzar o Solent (um estreito que separa Wight da Grã-Bretanha) estavam ansiosos.

“Ainda temos mais um monte sobrando”, me disse com orgulho um deles. “Vou esconder os comprimidos no meio das bolas. Faço isso todo ano. Funciona que é uma beleza.”

Chegando no festival numa sexta-feira, um dia depois de ter começado, e próximo dos portões, passei pelos “amnesty bins” , umas latas parecidas com essas de lixo onde as pessoas deveriam jogar suas drogas e não sofreriam penalidades legais. A maioria deles estavam vazios, ou cheios de papelão. Claramente, aqueles que planejavam esgotar suas reservas de serotonina durante o fim de semana estavam dispostos a se arriscar ao passar pelos seguranças que olhavam as bolsas e pelos cães farejadores.

2drug-testing-at-bestival-649-body-image-1442402386-size_1000

Eu também estava interessado naquilo que as pessoas estavam trazendo amarrados aos genitais, mas não pela mesma razão que os policiais e seguranças postos à entrada. Eu trouxe comigo vários kits de testar drogas, que te permitem medir a pureza dos narcóticos e ver com o que mais eles estão misturados. Qual a razão: eu queria descobrir exatamente o que os jovens estão colocando em seus organismos frenéticos durante os festivais de música britânicos, e se eles se importam que as drogas estejam cheias de outros agente químicos que são usados até como vermicidas em bois.

Depois de armar minha barraca, fui em direção aos acampamentos, pronto para convencer estranhos de ressaca a me dar um pouco das drogas que estavam usando para que eu pudesse estragá-las colocando dentro de um tubo de teste.

3drug-testing-at-bestival-649-body-image-1442402484-size_1000

“Você é um policial?” era a maioria das respostas que me davam. “Porque se for, pode dar o fora.”

“Não, não sou policial,” o que convencia – de uma forma surpreendentemente fácil – as pessoas de que eu era confiável; que eu não iria os algemar e confiscar todas as drogas que eles tinham conseguido depois de uma semana no Whatsapp procurando por um traficante e convencê-lo a te encontrar no estacionamento de um supermercado.

Cocaína não parecia muito popular, sendo encontrada com apenas seis grupos dos 35 abordados. Três das amostras eram de Londres, e todas eram exatamente da qualidade que eu esperava – isto é, não muito boa, uma vez que a coca encontrada em Londres é quase nunca de alta qualidade. Cada amostra indicava “conteúdo médio de cocaína”, o que, de acordo com os especialistas que desenharam os testes, corresponde a cerca de 40% de pureza.

Na maioria das amostras, a cocaína estava misturada com benzocaína, uma droga farmacêutica usada para anestesia dental e sprays de garganta. É regularmente misturada com a cocaína porque deixa a gengiva dormente, o que, de acordo com o que se vê na televisão, é um bom sinal de que o produto que você adquiriu é de alta qualidade.

4drug-testing-at-bestival-649-body-image-1442402868-size_1000

Um cara que olhou o resultado de sua cocaína ficou desagradavelmente surpreso quando viu sua amostra ficar verde, o que indica a presença de Levamisol na farinha que ele tinha comprado por 120 libras a grama. Em 2014, um ministro alegou que ate 80% da cocaína no Reino Unido era misturada com remédio usados na veterinária como vermicida para cavalos e vacas. Os produtores da América Latina o utilizam para aumentar o volume da sua produção porque é mais barato e apresenta efeitos semelhantes quando usados em humanos. O problema é que o medicamento também inibe a nossa produção de leucócitos e faz com que nossa pele apodreça.

“Eu compro desse traficante já fazem meses, e se eu tivesse testado essa merda antes nunca teria chegado perto de novo”, disse o cara da cocaína com Levamisol. “Provavelmente ainda vou usar mais esse fim de semana porque já trouxe, mas assim que eu voltar, vou procurar por algo novo.”

Encontrar outras amostras de cocaína com baixa pureza é bastante comum não só na Ilha de Wight mas em toda a região fora da capital Londres; os outros testes mostraram baixo teor de cocaína e níveis substanciais de lidocaína, que assim como a benzocaína, causa dormência na pele e gengiva. Benzocaína e lidocaína podem ser compradas por 15 libras o quilo, e revendidas a valores que chegam a 77 mil libras quando vendidas como cocaína – o que desperta o interesse dos traficantes.

5drug-testing-at-bestival-649-body-image-1442402824-size_1000

Quando testei as pílulas, queria saber se elas eram puro ecstasy ou se tinham algum outro composto químico. Três grupos de Brighton apareceram com uns comprimidos amarelos bem coloridos, e que ficaram roxos no tubo de teste, confirmando altos níveis de ecstasy. Duas amostras de Manchester também pareciam estar limpas.

6drug-testing-at-bestival-649-body-image-1442402960-size_1000

Todos estes gostaram da ideia de que tivesse alguém verificando a qualidade de suas drogas.

Mas nem todo mundo foi assim.

Um tal de Harry de Catford conseguiu uns comprimidos tarde da noite anterior. “Peguei dum cara na Big Top [uma barraca] noite passada enquanto Action Bronson fumava um baseado no palco,” ele me disse.

7 drug-testing-at-bestival-649-body-image-1442402977-size_1000

Pelo preço de 30 libras, suas pílulas tinham o preço mais salgado o que levava a pensar que eram de alta qualidade, mas depois ele tomou uma e disse que não teve efeito nenhum. Depois de vários testes (testei cada amostra do fim de semana três vezes para ter certeza de que estava tendo resultados precisos; só essa, testei seis vezes) e uma visita à farmácia, concluímos que metade era um Rennie sabor laranja, uma espécie de Estomasil da Inglaterra e que nunca fez ninguém abraçar loucamente um desconhecido declarando amor pelo cosmos.

“Para ser honesto, tinha um pouco de gosto de Rennie” admitiu Harry, antes de seguir caminho rumo à multidão na tentativa de revender seu produto.

8drug-testing-at-bestival-649-body-image-1442403021-size_1000

Um outro comprimido que mostrou uma mistura de ecstasy e DXM (dextrometorfano), o que é um pouco preocupante – DXM é uma substância encontrada em xarope para gripe e que, em altas doses, podem te deixar um pouco mais exaltado, e que quando misturado com ecstasy em uma noite de agito podem te deixar propensos a um ataque cardíaco.

“Para ser honesto, eu certamente não tomarei isso”, disse Sarah de Portsmouth, cujo teste deu positivo para ecstasy e o que pareceu ser traços de PMA – um químico que pode ser responsável por mais de 100 mortes no Reino Unido, três delas no começo deste ano. PMA é bem mais forte, e bem mais tóxico que o composto MDMA (a molécula que você teoricamente encontra no ecstasy), já provado letal em doses baixas. Outro problema é que o PMA pode demorar a bater, o que significa que as pessoas geralmente tomam outra pílula antes de sentir os efeitos da primeira, aumentando o perigo.

9drug-testing-at-bestival-649-body-image-1442403165-size_1000

Tendo testado 15 amostras ao redor do Reino Unido, a pureza da maioria do MDMA em pó foi alta. Dois grupos vindos de Wales traziam baixo nível de MDMA, mas nenhum dos testes conseguiu detectar o que mais estava misturado ali.

A amostra de Alice que veio de Cornwall não mostrou nenhum traço de MDMA. “Estou um pouco preocupada agora,” ela disse enquanto olhava que o líquido teste não indicava sua droga. “Tomei meio grama disso noite passada e eu senti algo, mas agora não tenho a menor ideia de que porra estou tomando.”

Ao contrário de algumas pessoas com quem conversamos, Alice conhecia bem seu traficante, então ela tirou seu celular do bolso e começou a mandar vários snapchats brava.

Havia anfetaminas numa amostra de MDMA, o que aparentemente fez o dono “reconsiderar” se tomaria ou não – apesar dele não parecer tão convincente.

Planejei testar também cetaminas enquanto estava lá, mas somente duas pessoas que abordei admitiram ter um pouco da droga. Será que os frequentadores do Bestival estavam com vergonha de admitir que ainda tomavam isso? Ou talvez a seca de cetamina de 2014 ainda afeta a disponibilidade de 2015? Ou será que o pessoal que tinha trazido estava ocupado demais usando dentro de suas barracas?

Nunca saberei. No entanto, um coisa que sei é que as duas amostras que testei pareceram não reagir, o que pode significar que elas eram 100% puras ou eram apenas giz moído. Ou que os testes não estavam funcionando. Ou que eu não fiz o teste corretamente. Explicando de forma detalhada e resumida: O teste para cetamina foi um fiasco.

10drug-testing-at-bestival-649-body-image-1442403262-size_1000

Enquanto forneciam alguma ideia sobre que tipo de drogas as pessoas estavam tomando, meus testes não podem ser encarados de maneira geral, e estes kits que usei são apenas o início; máquinas que custam uma fortuna podem ser usadas para descobrir exatamente o que está em cada composto. De fato, o doutor Adam Winstock do Global Drug Survey argumenta que estes testes caseiros como o que eu estava usando, não são adequados para uma leitura totalmente precisa. “Existem grandes limitações sobre o que ele pode lhe dizer,” ele disse .

Deveriam então os festivais estarem fazendo mais para que os testes acontecessem, providenciando locais específicos para que as pessoas se certificassem de que aquilo que tomam é seguro?

Nick Jones, o diretor do EZTest – a empresa que nos forneceu os kits – sugere que o que ele e outros podem fazer sobre isso ainda é uma área complicada. “Eles poderiam estar disponíveis muito mais rapidamente, mas não investimos tanto com medo que isso nos coloque em risco,” me falou pelo telefone. Disse também que vender testes que explicitamente minimizam os riscos podem ser “considerados como contrários à lei.”


Quando perguntei a Jones o por quê deles não fazerem testes nos festivais do Reino Unido, ele disse que as pessoas não querem perder suas licenças e que conversas tidas com as autoridades locais e a polícia levaram os organizadores a dar um passo atrás. “Ao admitir que se tem um local que se testam drogas, estamos admitindo que temos drogas no festival, o que incomoda a polícia e demais dirigentes,” ele me disse.

É claro que independente do que agrada a polícia ou as autoridades, sempre existiu esse empecilho das drogas e sempre existirá – as pessoas continuarão colocando químicos nos seus organismos que os fazem sentir estranhos, vibrantes ou cheios de amor. E elas vão continuar fazendo isso em festivais em todo o Reino Unido, assim como têm feito há décadas. E sem a existência de algum método de prevenção de danos no lugar, algumas pessoas irão passar por momentos difíceis.

Este ano no Kendal Calling – um festival de três dias para 12 mil pessoas em Lake District – um jovem de 18 anos morreu depois de ter tomado umas pílulas duvidosas. O mesmo lote deixou oito pessoas hospitalizadas. No total, só testamos 22 amostras diferentes, o que corresponde à droga ingerida por 100 participantes do Bestival. Mas mesmo neste número pequeno encontramos resultados alarmantes.

11drug-testing-at-bestival-649-body-image-1442403399-size_1000

Os kits podem ser comprados de forma direta e legal pela internet por poucas libras. Eles podem até mesmo salvar vidas, e eu encorajo todos os aqueles que consomem alguma droga a adquiri-los antes de engolirem um punhado de comprimidos misteriosos de uma vez.

Mas algo também precisa ser feito pelos organizadores, seguindo o exemplo duma boate em Manchester no chamado Warehouse Project realizado dois anos atrás, que permitia com que os frequentadores passassem com suas drogas pela segurança para que fossem realizados testes de pureza por profissionais. O fato é que a atitude tomada atualmente pelas autoridades responsáveis são o exemplo da ineficiência do controle de drogas no Reino Unido: fazer as pessoas terem medo de falar sobre drogas; fingir que não sabem do assunto; e não fazer nada para apoiar e proteger as pessoas dos potenciais danos ao ingeri-las.

As pessoas com quem conversei se mostraram agradecidas por saberem o que estavam tomando. Alguns jogaram suas compras fora, e sim, alguns usaram de qualquer jeito, mas pelo menos agora eles sabiam o que estavam fazendo e estavam em condições de tomar decisões com embasamento.

Aprendi algumas coisas este ano no Bestival. Os festivais britânicos precisam reconsiderar sua abordagem ao teste de drogas e seguir o exemplo de alguns festivais americanos, os quais já permitem que este tipo de teste. Empresas como a EZTest também precisam saber que não serão processadas por distribuírem kits como este, umas vez que pode prevenir certas mortes.

E não, nunca compre nada de um maluco numa barraca qualquer às três da manhã a menos que esteja com sérios problemas de má digestão.

FONTE VICE

Agradecemos imensamente a tradução feita pelo colaborador Pedro Reis.
Seja você também um colaborador, entre em contato:

equipemundocogumelo@gmail.com


 

Assista abaixo um ótimo documentário sobre festivais e testagem de drogas.
(ainda sem legenda, estamos trabalhando nisso)

Obtenha mais conteúdo como esse

Inscreva-se em nossa newsteller e receba os novos posts em seu email!

1 responder

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *