Os benefícios do LSD vão mudar a forma como falamos sobre drogas

Falar sobre ácido sempre envolveu apenas a viagem. Deveríamos focar nos efeitos de longo prazo.

img-thingTemos olhado para o LSD da forma errada. Ao longo do último meio século, temos focado sobre os efeitos a curto prazo de tomar ácido os variantes efeitos visuais, as cores vibrantes, a desconexão da realidade ordinária quando deveriamos estar incidindo sobre os benefícios de longo prazo, incluindo os efeitos terapêuticos que só agora os cientistas estão descobrindo. O renascimento da pesquisa psicodélica em curso, essencialmente, uma onda de estudos em pequena escala, mostra que os usuários de LSD se tratam preventivamente de doenças mentais e até certo ponto   contra o alcoolismo, depressão e Síndrome de Estresse pós-traumático. A legislação ainda faz a prescrição médica do LSD se isolar em um futuro próximo, mas a conversa sobre como ficar doidão pode ser apenas um efeito colateral do uso da substância, pode começar agora.

Os mitos que cercam LSD, perpetuados por hedonistas modernos como Lana del Rey John Misty, tornam difícil para os legisladores aceitarem-na como uma droga psiquiátrica tal qual o Prozac, o Zoloft, ou o Celexa. Mas este era de fato o uso pretendido desde o início. Albert Hofmann, ao descobrir a droga em 1943, imediatamente começou a lhe procurar aplicações psiquiátricas. E esse impulso continua forte na comunidade científica: Mais de 1.000 trabalhos de pesquisa acadêmica sobre os efeitos do LSD foram publicados antes do Verão do Amor resignificar o ácido como uma forma de se rebelar contra o status quo.
Atualmente, o FDA lista o LSD como substância de categoria 1, alegando que não há nenhum uso médico aceitável. Sob uma perspectiva científica, isso é uma mentira. Da perspectiva cultural do senso comum, é a verdade estabelecida (porém a visão está mudando)
Mais cedo, agora em fevereiro/2016, os pesquisadores britânicos Dr. Robin Carhart-Harris e David Nutt PhD (famoso pela frase “ecstasy é mais seguro que andar a cavalo”) publicaram um artigo na Psychological Medicine descrevendo a habilidade paradoxal do LSD para disparar psicoses em curto prazo enquanto deixa um resíduo de alteração cognitiva no meio e longo prazo que é decisivo para uma melhora do bem estar psicológico.
Dr. Robin Carhart-harris

Dr. Robin Carhart-harris

David Nutt PhD

David Nutt PhD

No ano passado, Carhart-Harris e Nutt também observaram os efeitos do LSD sobre o cérebro de 20 voluntários usando ressonância magnética, relatando que os primeiros resultados foram promissores para o tratamento de depressão e alcoolismo. O trabalho deles tem sido limitado por uma escassez de financiamento. Ainda assim, existem estudos suficientes para que haja meta-estudos, inclusive um recente, sobre LSD e alcoolismo, publicado no Journal of Psychopharmacology em 2012, que revelou que o uso de LSD em combinação com programas de dependência de álcool ajudou os voluntários a diminuirem o abuso da substância.

Outro estudo altamente divulgado, publicado no Journal of Nervous e Mental Disease em 2014, observou que o LSD, quando administrado ao longo de dois meses, sob condições cuidadosamente controladas, promove a redução da ansiedade em doenças terminais, a longo prazo. Este estudo, realizado na Suíça, país que acolheu a pesquisa psicodélica, enquanto o resto das Nações Unidas se apavorou na década de 1970, foi o primeiro estudo controlado do LSD publicado em mais de 40 anos.
É importante perceber que estes estudos receberam uma enorme cobertura da imprensa, porque foram publicados em revistas científicas com revisão por pares. O fato de isso não acontecer mais frequentemente não é necessariamente um reflexo da inadequação ou da escassez de outros estudos psicodélicos em curso; na verdade, aponta, pelo menos em certa medida, para o preconceito com as drogas alucinógenas, que persiste mesmo na comunidade científica. Credibilidade científica, infelizmente, é a única coisa que puxa o financiamento. Sem dinheiro, os estudos são enfraquecidos as licenças necessárias para estudar substâncias de categoria 1 são incrivelmente caras e assim torna necessário o impulso para reclassificar a substância como algo que valha a pena considerar medicamente. Sendo assim, o financiamento se torna ainda mais escasso.
157611061
Porém os benefícios a longo prazo do LSD apresentam um tratamento para a ignorância cultural, bem como para o abuso de outras substâncias. Eles forçam a conversa sobre a droga longe dos efeitos imediatos da droga, que é uma coisa difícil de fazer, dada a qualidade extrema que esses efeitos podem tomar. O que as pessoas estão começando a perceber lentamente é a idéia de que substâncias psicoativas fazem uma coisa no curto prazo e outra a longo prazo. É bastante claro que não estamos culturalmente preparados para falar sobre os benefícios ou problemas a curto prazo. Mas podemos falar sobre os efeitos na saúde a longo prazo. Isso é essencialmente o que aconteceu com a questão sobre os cigarros, ainda que em sentido inverso. Uma conversa sobre o quão legal o cigarro faz as pessoas parecerem, se torna uma conversa sobre como eles causam câncer. Neste caso, uma conversa sobre o quão estranhas as pessoas podem se sentir com LSD, pode tornar-se uma conversa sobre seus benefícios psicológicos de longo prazo.
Uma vez que nós mudamos substancialmente a forma como falávamos sobre outras substâncias no passado, há muita esperança para o futuro. Há também o fato de que, e isso é realmente importante, boa ciência está sendo feita. Os pesquisadores da vanguarda do campo não são um bando de Josh Tillman doidões no deserto da Califórnia; eles são acadêmicos que podem, ao contrário dos rapazes a executar o divórcio do LSD de seu passado colorido com o FDA. Eles não estão nem aí para os anos 60.
iStock_LSD_Illustration
Traduzido do Original em Inverse.com

Obtenha mais conteúdo como esse

Inscreva-se em nossa newsteller e receba os novos posts em seu email!

4 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *