O Uso Espiritual

Quando se fala em uso espiritual de substâncias, pra alguns é difícil de engolir. A maioria das pessoas associa logo a palavra “droga” e todo o peso que ela carrega consigo, e outros não conseguem admitir a intervenção de alteradores de percepção como uma coisa benéfica.

Pois bem, milênios antes da palavra “droga”  existir, psicoativos como Ayahuasca, peyote e cogumelos eram e continuam sendo utilizados por indígenas de diversas tribos, de crenças e localidades totalmente diferentes. Alguns acreditam entrar em contato com deuses, outros com os espíritos das plantas ou dos animais, outros com espíritos humanos desencarnados e por aí vai. Na sociedade moderna de hoje também foram criadas diversas seitas religiosas e crenças envolvendo o uso dos chás…cada cultura com seu colorido diferente. Mas por “coincidência” o objetivo é basicamente sempre o mesmo: entrar em contato com o mundo espiritual. “Mundo espiritual” é apenas um rótulo que usei, que significa o sagrado, algo que está além da percepção normal e nos ajudaria a compreender melhor o universo e as clássicas questões existenciais como “quem somos nós?” ; “Por que estamos aqui?” ; “O que devemos fazer?”. A raiz do uso dessas substâncias sempre foi seriamente relacionada à estas questões, independente da interpretação cultural dada, e isso é o que caracteriza o uso espiritual. Mas aqui na civilização, as pessoas que nem conhecem tais substâncias insistem em sustentar a idéia de que isso é “coisa de maluco”, ou que o efeito enteógeno não é real, é apenas um “estado alucinatório”, uma falsa noção da realidade. Como já falamos aqui, é bem difícil definir a realidade, já que cada um a percebe e interpreta de sua forma particular. E se o tal “estado alucinatório” me parece violentamente mais REAL do que o estado comum, como poderei acreditar no contrário? É a mesma coisa que você flagrar sua mulher com outro e alguém ainda tentar convencê-lo de que o que você viu não é real. Aí a escolha é sua, ou você cria essa ilusão e acredita nela a ponto de vivenciá-la, ou vive a realidade da forma que sua experiência lhe mostrou ser.

Em diversos relatos de Experiências de Quase Morte, as pessoas afirmam terem passado naqueles momentos pelas situações mais reais de toda a sua vida, mesmo que dentro das próprias mentes. E tais experiências modificam para sempre a forma de enxergar a realidade e interagir com ela dessas pessoas, a ponto de muitos afirmarem que foi a melhor coisa que já lhes aconteceu. Experiências com enteónegos são completamente diferentes (nunca tive uma E.q.m. mas acredito que deva ser bem diferente, e principalmente muito mais dolorosa do que uma com enteógenos) mas nesse ponto são semelhantes. Na minha opinião, ambas são experiências espirituais e assim devem ser consideradas.

Acreditando ou não no poder dessas plantas e fungos, as pessoas precisam aceitar o fato de que existe o uso espiritual dessas substâncias, e deve ser tratado com seriedade e respeito, pois sempre fez parte da cultura em toda a história da humanidade.

Obtenha mais conteúdo como esse

Inscreva-se em nossa newsteller e receba os novos posts em seu email!

19 respostas
  1. Mundo Cogumelo
    Mundo Cogumelo says:

    Muitíssimo bom! Gostei mesmo.
    Eu já li que até o papai noel, tem aquelas cores por causa do amanita! Eu particulamente não tenho ” trips espirituais”, mas talvez seja pq eu não as quero ter.

    Abraços

    Responder
  2. swoboda
    swoboda says:

    Po, tem certeza de que vc não tem “trips espirituais”?? ou será que vc as interpreta de outra forma?A Minha visão pessoal é de as trips são inevitavelmente espirituais, basta apenas reparar…..mas a escolha é sua… se não quiser olhar, não verá esse lado. Mas veja bem, vc nunca teve uma trip que lhe fizesse compreender melhor o universo, e estas questões que coloquei? e consequentemente ajudando a “iluminar” suas atitudes do dia-a-dia? responda sinceramente

    Responder
  3. dany3l
    dany3l says:

    hehhehe religiões são como as “sociedades da espiritualidade” !

    Regras e dogmas a respeito de como vc deve encarar a sua espiritualidade (que na real é única pra cada um) do mesmo jeito q a sociedade tem regras e dogmas de como vc deve viver a sua vida =)

    Responder
  4. swoboda
    swoboda says:

    pois é…..mas sociedade só tem uma e gente já conhece, e religiões tem várias muito diferentes, então tbm não dá pra generalizar desse jeito….mas com certeza a maioria das que conhecemos funciona assim mesmo…
    muitas são criadas por alguém que no auge de seu egocentrismo, achou que seu caminho era o único caminho correto. Outras por pura ganância, apenas para explorar a fé de pessoas ingênuas, sem espiritualidade alguma…Outras são apenas pessoas que foram se unindo por suas semelhanças espirituais (que para outros podem até ser dogmas)
    Eu não gosto da idéia de seguir uma religião porque não creio em padões imutáveis…pra mim, a busca pela espiritualidade deve ser constante, totalmente baseada no presente….enquanto a maioria das religiões se baseia em valores pré-estabelecidos no passado….
    Mas acho que toda religião que busca a espiritualidade de forma séria tem coisas boas a nos acrescentar, é só não nos prendermos a nada

    Responder
  5. Érica
    Érica says:

    Gostei do texto também. (Ooooohh!)
    O que fico com o pé atrás é no uso indiscriminado dos alucinógenos, porque por mais que eles façam parte da cultura de algumas tribos, elas não os usam sem um planejamento prévio, não é ao deus dará. Ou é?

    Responder
  6. swoboda
    swoboda says:

    eu pessoalmente acho que deve ser ao deus dará! quanto mais espontâneo melhor, pq não se criam expectativas…..
    simplesmente será como é, e não como planejou que fosse…

    mas isso vai de cada um……

    quanto ao abuso, acho que quem procura o uso espiritual nunca abusaria, pq não existe essa necessidade. Uma experiência causa profundas reflexões nos dias e semanas seguintes, e colocar uma outra experiencia em cima da reflexão só atrapalha e confunde, ao meu ver…

    Responder
  7. swoboda
    swoboda says:

    sim, influencia muito, e MUITO MESMO…..
    as pessoas, provavelmente é inevitável que ja estejam escolhidas….eu pelo menos sempre sei com quem vou tomar, ou se for sozinho ja sei tambem….mas nada melhor do que tomar na hora que der vontade, ir pro lugar que der vontade, ouvindo o som ou o silêncio que der vontade……Todas as vezes que planejei as trips, nada saiu como eu esperava… e sei lá, faço uma analogia perfeita(pra mim) com a vida….sempre perdemos tempo planejando algo que nunca sai como foi planejado.

    isso é muito pessoal, eu não estou de forma alguma querendo dizer que essa é a forma que todos devem usar, ou que planejar está errado…só constatando como é comigo. Longe de mim querer ditar alguma regra, o que eu disse se aplica à mim.

    Responder
  8. Dany3l
    Dany3l says:

    eu também prefiro tomar quando der vontade… afinal só vc sabe a hora de tomar.

    é engraçado pq as vezes coisas ruins acontecem durante as trips e gente aprende coisas que nucna aprenderia se tivessemos planejado a trip…pois evitaríamos previamente essas coisas ruins…..

    é engraçado o curso que as coisas tomam =)

    Responder
  9. Juliana
    Juliana says:

    Rafa tá de parabéns…mandou bem!

    É Dany, não sei se “planejar” seria a melhor expressão, já que algumas coisas podem fugir de nosso controle, isso depende de “n” fatores…mas acho sim que um preparo, um trabalho mental anterior, e principalmente o lado interior em paz, podem favorecer muito na trip…um ambiente tranquilo também…difícil passar perrengue se a “cabeça tá no lugar”…

    Sobre as “religiões”, como já se dizia, são discussões em vão, é como visão política pessoal…cada um na sua ou sem ela, com sua própria crença… todos sabemos o q melhor aproveitar de cada religião, o mais importante é a mensagem do bem, é absorver o que pode te trazer crescimento pessoal, contribuir na sua evolução…o mais importante é o respeito à qualquer posição, e claro, não deixar que essas crenças pessoais dominem sua vida, passem por cima de sua própria essência e busca pela felicidade…e pq não a “crença” nos enteógenos???

    …só um exemplo de uma posição pessoal, sem preconceitos…pq um católico é considerado mais “normal” pela sociedade, por ir a sua igreja e tomar uma óstia (achando que aquilo vai mudar sua vida, vai lhe botar em contato com Deus, “vai validar sua espiritualidade”…pô, isso não traz nenhuma mudança interna, nenhuma nova ideia!), do que uma pessoa que busca isso na natureza, encontra algumas das chaves, abre as portas de sua percepção e passa a viver diferentemente após sua profunda experiência????????? Claro! é um exemplo grosseiro! mas deixa claro a rotulagem e o preconceito dessa sociedade…ou melhor, o medo que essa sociedade tem em revelar a verdade à todos…e por aí vem a generalização das ditas “drogas”, aonde pó, crack, pico, cogú, maconha estão no mesmo patamar, causando medo nas pessoas, que pensam que podem se jogar de um prédio ou matar e roubar…
    Isso é uma “violência” à nossa Mãe-Natureza! ela quer acolher seus filhos, mas a cegueira das aparências e de toda manipulação não permite que estes filhos sintam e recebam todo seu amor…
    Não quero dizer que o uso dessas substâncias sejam a verdade da vida…mas como muito já foi dito aqui, é uma grande ferramenta…reforçando…UMA GRANDE FERRAMENTA!
    Cabe só a cada um querer utilizá-la…mas ela está aí… a nossa disposição, pronta pra nos auxiliar…
    Acreditamos em tantas coisas criadas pelo homem e ao mesmo tempo somos tão céticos com o que é natural, com o que está ali sem precisar argumentar nada pra me convencer, pelo simples fato de sua existência…há uma inversão de valores, pq o que vem do homem é mais convincente, tem argumentação, explicação pra tudo, já o divino não pode ser exato interpretado pelos homens, criam teorias incertas para aceitarmos, mas não ouvem e criticam as nossas próprias…ou então nos chamam de loucos por que conseguimos enxergar o outo lado da moeda e estamos hj aqui discutindo todas essas inquietações por esse blog.
    Galera, desculpa! me impolguei…mas é isso!

    “Boa viagem pra todos!!!” , pelo menos pros que quiserem…
    PAZ

    Responder
  10. ohmdelta
    ohmdelta says:

    Parabéns pelo texto! Concordo plenamente e sou a favor do uso das substancias enteogenas e psicodelicas no contexto espiritual e de auto-conhecimento. Gostei do trecho em que fala: “E se o tal “estado alucinatório” me parece violentamente mais REAL do que o estado comum, como poderei acreditar no contrário?”.
    Já tive essas sensações de que a realidade me parecia muito mais verdadeira no momento da “trip”. Conversando com amigos sobre isso depois, me chamaram de louco por acreditar nessa realidade psicodélica, que na verdade é a mesma para todos. A realidade é uma só!
    A expansão da consciência é um fato que os seres humanos devem começar a se ligar. Engraçado que eu consigo imaginar um mundo no futuro, em que todos os seres humanos estão “ligados”, completamente conscientes da sua existencia, e fazendo o planeta viver de uma maneira plenamente natural.
    Acredito que o nosso dever como ser humano é exatamente esse: Descubrir Deus e o universo dentro de nós, e depois que nos tornamos conscientes da verdadeira essência, ajudar os outros seres humanos para o Despertar, cada um usando sua ferramenta que foi dada por Deus.

    Pensamento positivo para a transformação do Planeta Terra!

    Paz e Luz à todos!

    Responder
  11. allKaLiNe
    allKaLiNe says:

    Pô meu eu sempre uso sozinho , pra qm mora em cidade pequena a dificuldade de encontrar alguem para conversar sobre isso é imensa! imagina entao pra participar de um ritual junto.
    Pelo menos as coisas parecem estar mudando aos poucos pelo menos ja é possivel encontrar blogs como esse e grupos de pessoas que discutem sem preconceito

    Responder

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

1 + oito =