O que o Ecstasy faz ao seu corpo?

A ciência por trás da droga mais controversa do cenário musical


Separar música e o cenário de festas de uso drogas não é fácil. Apenas pergunte para o donos da Fabric, uma famosa balada em Londres, que teve sua licença revogada nessa quarta-feira por autoridades locais preocupadas com o uso de drogas no local. Ou os organizadores do Eletric Daisy Festival, Hard Summer e outros eventos que destacaram as manchetes de jornais pelos seus usuários que morreram pelo uso de drogas.

Em muitos desses casos, a droga primária envolvida era ecstasy ou vários químicos misturados vendidos como comprimidos de ecstasy. Apesar de ser considerado menos aditivo que cocaína e heroína; ecstasy está ganhando uma má reputação entre os políticos. O exemplo mais óbvio é o Redução e Vulnerabilidade para o ecstasy da América ( RAVE) Act, que passou no congresso em 2003 como o Ato de Anti-Proliferamento de Drogas.

Deixando os fechamentos de clubes ou a aplicação da lei de lado, há uma terceira opção que está ganhando força silenciosamente , — usando a educação e defendendo medidas de redução de danos para evitar tragédias relacionadas ao ecstasy.

Saiba o que você está tomando. Em um estudo experimental a três anos atrás, a maior balada de Londres, Warehouse Project, convidou uma pesquisadora de criminologia da Universidade de Durham para ir uma vez a cada mês para testar drogas encontradas na festa, tanto confiscadas pelas autoridades ou entregues anonimamente. Se a pesquisadora achasse algum ingrediente preocupante nas amostras, ela notificará os donas da festa, e a mensagem seria espalhada pela mídia social e sinais de LED seriam colocados nas festas para alertar os consumidores. Pela Europa, testagem de drogas no local da festa é bem comum, diz Adam Auctor, fundador do Bunk Police, um serviço de testagem de drogas sediado em Denver, no Colorado; que começou a testagem na Europa esse ano.

Nos Estados Unidos, a testagem no local ainda é muito rara. DanceSafe e Bunk Police oferecem kits de testagem de substâncias em eventos no norte do país. Mas por que as festas e os promotores não querem bater de frente com o Ato de Anti- Proliferamento de Drogas, que bane “manutenções de instalações envolvendo drogas”, a maioria recusa permitir esses serviços de testagem no local uma vez que isso pode ser percebido pelos promotores como encorajamento de uso de drogas.

DanceSafe ainda frequenta um punhado de eventos para fornecer testagem gratuita onde é permitido, mas esses eventos são na maioria menores e mais desorganizados que a maioria dos festivais realizados por promotores empresariais, que estão mais preocupados com a responsabilidade, diz Mitchell Gomez, diretor nacional de divulgação do DanceSafe, uma organização sem fins lucrativos, de Denver. O Bunk Police não faz mais testagem em tempo real, diz Auctor, mas eles ainda vão em festas para vender kits de testagem com descontos, embora nem sempre com a permissão dos organizadores dos eventos.

Ambos os grupos vendem kits de testagem de drogas online por 20 dolares para um teste único e 150$ para ampolas de testes validas para 60 análises. Gomez avisa que esses testes são limitados no que eles podem revelar sobre a droga. Enquanto esses testes podem mostrar se a droga em questão tem MDMA ou Catinona ( vendidos como “sais de banho”), muitas vezes eles não conseguem mostrar se tem certos adulterantes ou outros aditivos, ele disse. Gomez sonha poder mandar um laboratório completo para testagem em tempo real, mas enquanto as leis federais de drogas não são alteradas, ele não vê isso acontecendo.

” Nas ruas, pode ser difícil conseguir compostos puros,” diz Dr. Itau Danovich, presidente do Departamento de Psiquiatria e Neurociências de Comportamento no Cedars- Sinais Medical Center em Los Angeles. ” A cada passo na cadeia de distribuição, tende a haver um corte”.

Tanto Gomez e Auctor acreditam que a chave para implementar medidas para impedir emergências médicas encontram-se  na alteração do Ato Americano de Anti-Proliferamento de Drogas, que permita explicitamente promotores e donos de festas a tomarem um passo no quesito de redução de danos. Dede Goldsmith, cuja a filha morreu em 2013 de hipertermia em uma festival de música eletrônica, após ter tomado ecstasy; ela está entre os defensores da mudança da lei porque “Isso está impedindo a implementação de medidas de senso comum de segurança nesses eventos.” A partir dessa semana, Goldsmith juntou mais de 16,300 assinaturas através de seu site online.

” Não existe tal coisa como uso de droga seguro,” diz Gomez. ” Mas há maneiras que nós podemos reduzir os riscos, educando as pessoas sobre o que elas estão tomando e providenciando condições que as façam serem menos danosas.”

Para evitar problemas, em primeiro lugar, é bom entender como a droga afeta seu corpo. Quimicamente, o ecstasy é a forma pura de 3,4-metilenodioxi-metanfetamina, ou MDMA. Mas há muitas variantes de ecstasy no mercado, e a quantidade de MDMA nessas substâncias podem ser altamente variável.

Gomez, que tem uma organização que vem testando drogas e seus componentes químicos em festas há 17 anos, estima-se que 40% das drogas vendidas hoje como ecstasy é na verdade MDPV, metilona ou mefedrona, vendido nas ruas mascaradamente como “sais de banho”.

Uma vez em seu corpo, o MDMA entra na sua corrente sanguínea e começa a fazer seu caminho para o cérebro. Depois de escapar pela sua barreira hematoencefálica destinada a proteger seu cérebro de neurotoxinas, o MDMA desencadeia a liberação de três neurotransmissores: dopamina, norepinefrina e a serotonina, diz Dr. Danovich. É como se você pegasse uma laranja e expresse todo o suco.

Dopamina, é associada com o prazer e resposta de recompensa, é responsável pela euforia e energia que você sente quando toma MDMA. Norepinefrina é uma adrenalina que aumenta seu batimento cardíaco e pressão sanguínea. Enquanto isso, a serotonina libera uma sensação de bem estar, felicidade e conexão emocional (empatia).

Na maioria dos casos, o efeito dura de 3 a 6 horas. Depois disso, muitas pessoas sentem a “síndrome de esgotamento”, de acordo com Danovitch. ” É o chamado crash(bad/deprê). As pessoas se sentem desanimadas, irritadas, depressivas, têm dificuldades de dormir, sentem ansiedade e tem problemas com foco.”

Na maioria dos casos, os efeitos indesejados terminam por aí; Em outros, no entanto, as coisas podem dar muito errado. Entre as reações potencialmente catastróficas estão a hipertermia, rabdomiólise, falência de órgãos, aumento intenso da ansiedade ou ataque de pânico, diz Cathy Lee Rogowski, médica de sala de emergência em San Diego, que tem visto muitos desses sintomas e até mais.
O efeito a longo prazo mais nocivo é o possivel dano cerebral. Porque o MDMA só começou a ser uma droga recreacional popular no meio dos anos 80, pesquisadores ainda estão começando a entender como afeta o cérebro a longo prazo.

Porém, há um aumento de evidências que apoiam a probabilidade que o uso crônico de ecstasy pode causar um dano cerebral duradouro.

Uma das maneiras que o ecstasy prejudica, tem a ver com a forma de como o corpo tenta lidar com o fluxo artificial de substâncias neuroquímicas liberadas pelo MDMA.
” Se há muitos neurotransmissores para o corpo lidar do jeito que ele normalmente metaboliza esses tipos de químicos, então ele usa uma via secundária,” uma que pode deixar metabólitos tóxicos que acumulam com o tempo, diz Dr. Jeffrey Lieberman, presidente de Psiquiatria para Centro Medicinal da Universidade da Columbia do Hospital Presbiteriano de Nova York. O perigo é que esses metabólitos tóxicos tem o potencial de destruir células cerebrais de um jeito parecido com o mal de Parkinson, diz Lierberman.
Em um artigo — “A Psicobiologia Humana do MDMA ou ‘ecstasy’: uma visão geral de 25 anos de pesquisa empírica”– publicada no jornal Psicofarmacologia Humana, de Andrew Parrot do Departamento de Psicologia da Universidade de Swansea, mostrou um déficit significativo na memória e prejuízos sobre uma série de tarefas cognitivas incluindo “processamento executivo, raciocínio lógico, resolução de problemas e inteligência emocional.”

Para adolescentes e jovens adultos, as consequências a longo prazo ainda são desconhecidas. “O cérebro não está totalmente desenvolvido até que você está nos 20 a 30 anos,” Lieberman diz. “Há muito pouca pesquisa em cérebros mais novos. Presumidamente, há um efeito diferente, mas ainda não sabemos.”

O risco é ainda maior quando se trata de gestantes que tomam MDMA. EM 2012, um estudo feito por Lynne Singer, et al., crianças de mães que tomaram ecstasy durante a gravidez, tiveram qualidade de coordenação motora significativamente mais pobre em 4 meses de idade. Levará anos até que os pesquisadores sejam capaz de descobrir como o MDMA afetará essas crianças a longo prazo.
Embora o ecstasy seja frequentemente chamado de a “droga do amor”, seus efeitos psicológicos nem sempre são positivos. Em sua análise de 25 anos como pesquisa medicinal no MDMA, Parrot conclui que “o MDMA é essencialmente um intensificador de humor” que também pode aumentar estados de emoções negativas, assim como as positivas.

Quando combinado com outras drogas, o resultado pode ser fatal. Emily McCaughan tinha tomado uma combinação de MDMA e ácido gama-hidroxibutírico (GBH), antes de contar a seus amigos que ela estava sendo seguida, e pulou do 20º andar do seu hotel em Las Vegas em 2012. Kyle Haigis morreu em 2011 depois de começar a agir irracionalmente, pulando de um carro em movimento e em seguido ser atingido por outro.

Os efeitos mais comuns são calor excessivo do corpo ou hipertermia. A serotonina que ajuda a regular o núcleo da temperatura pelo hipotálamo, age como termóstato do corpo. “Serotonina enerva o hipotálamo” diz Lieberman. “É como setar a temperatura do seu termóstato mais alto.”
Ao mesmo tempo a norepinefrina, o segundo neurotransmissor lançado no seu cérebro pelo MDMA, que faz você sentir energizado, então você acaba dançando e se mexendo muito. Isso cria mais calor no corpo. Agora adicione um lugar quente e abafado como uma balada pouca ventilada ou festival quente com o chão cozinhando, e o seu corpo logo terá dificuldade de resfriar.

O que há de errado com isso? Muita coisa.
Calor corporal em excesso causa a morte das células dos músculos. Os músculos estão tão estressados pelo excesso de adrenalina bombardeado no corpo, graças a norepinefrina lançadas pelo ecstasy. Os músculos ficam tensos e rígidos para a preparação da luta-ou-fuga em resposta para a adrenalina que está sendo lançada.
Pessoas que tomam ecstasy frequentemente dizem que suas mandíbulas ficam tensas. Essa tensão, se constante, ocasiona danos para as fibras musculares, chamadas de rabdomiólise.
A dor no músculo que é relatada por muitos no dia depois de terem tomado ecstasy, é um caso leve de rabdomiólise.

Rabdomiólise sustentada é problemática porque pode de repente se tornar um trem desgovernado que leva à falência de órgãos. Quando as células dos músculos morrem, elas liberam um número de subprodutos no sangue, incluindo íons de potássio, íons de fosfato, mioglobina, creatina quinase e ácido úrico. “Seu fígado tenta filtrar para fora todos esses químicos” diz Lieberman. “Mas seu sangue se torna muito viscoso com todo esse material. É como se fosse um lodo, que entope seu fígado.”
Enquanto isso, o excesso de ácido úrico pode formar cristais nas túbulas do seu fígado, que futuramente pode comprometer seu fígado “Quando começa, é difícil parar,” diz Lieberman. “ Quando os músculos morrem, eles liberam essas substâncias corrente sanguínea. Não tem jeito reverso uma vez que eles estão na sua corrente sanguínea. Pode acontecer muito rápido, em questão de algumas horas.”

Apesar de não ser muito provável, insuficiência cardíaca pode acontecer se existe uma predisposição a problemas do coração que podem ser agravados nos efeitos do MDMA. De 6 dos 24 relatos de mortes relacionados a ecstasy pelo Los Angeles Times, eram de parada cardíaca.
“Seu corpo não pode tolerar um batimento cardíaco rápido por muito tempo.” Rogowski diz. “Ele irá se esgotar.”

“Tudo fica muito acelerado” diz Rogowski. “ Mas na verdade o coração não funciona bem quando está vibrando tão rápido assim, e o resto do seu corpo não recebe o oxigênio que precisa.”

Outro efeito possível a longo prazo causado pelo uso prolongado de ecstasy é hepatite aguda e falha hepática. “Você pode oprimir a habilidade do fígado de quebrar o MDMA, levando a hepatite aguda. ” diz Danovitch.
Agora que você sabe como o MDMA afeta seu corpo e o que pode dar errado, aqui vai uma lista do que você pode fazer para reduzir os risco de emergências e diminuir os danos para seu corpo.

Faça intervalos de descanso com frequência. Isso ajuda o seu corpo a esfriar e minimizar o risco ao seus músculos. Se você é daqueles que gosta de festivais outdoors, procure sombras e tendas com ar condicionado. Se você está em uma balada quente, vá para a área externa para respirar melhor. DanceSafe pressionou os promotores para eles colocarem de 5 a 10 minutos de intervalos entre os DJs, ao invés de fazê-los tocar sem parar horas a fio, diz Gomez.

Se hidrate e coma bem. Dar ao seu corpo fluido suficiente é importante pois você sua para seu corpo esfriar. Mas não beba muito pois tem o risco de você ter uma intoxicação de água, uma condição rara, mas potencialmente fatal. O excesso de água pode oprimir a capacidade do corpo de manter seu balanço eletrolítico. Também não esqueça de comer. Como outros estimulantes, MDMA pode suprimir apetite, mascarando a necessidade do seu corpo por nutrição para seu sustentar, Rogowski diz.

Fique com um amigo de confiança. Faça um pacto com o seu amigo que se, um passar mal, o outro vai ficar cuidando.“ Se você está com seu amigo e ele passar mal, não o deixe sozinho.” diz Danovich. “ Eles poderiam ser vítimas se você deixar ele sozinho. Eles também poderiam precisar atenção médica imediata, especialmente se você não consegue acordá-lo.”

Preste atenção nos sinais de alerta que o seu corpo está te mostrando. Se você está se sentindo muito quente e não está suando é um sinal que o seu corpo não está conseguindo se esfriar sozinho. Dores de cabeça, confusão mental, dificuldade de respirar, náusea, batimento cardíaco forte e delírio também são sinais de alerta. Se você ou um dos seus amigos tiver algum desses sintomas, vá diretamente para tenda médica para ter atendimento imediato.“É incrível a diferença que 10 minutos pode fazer quando se trata de uma socorro médico.”

FONTE BILLBOARD

 


Agradecemos imensamente a tradução feita pela colaboradora Gabriela Lie.
Seja você também um colaborador, entre em contato:

equipemundocogumelo@gmail.com

Obtenha mais conteúdo como esse

Inscreva-se em nossa newsteller e receba os novos posts em seu email!

1 responder

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *